Inhotim

No final de outubro, finalmente fui num dos lugares que eu mais queria conhecer no Brasil. Inhotim, um instituto de arte contemporânea, em Brumadinho, interior de Minas Gerais, é simplesmente o paraíso. Pra quem gosta de arte, arquitetura e natureza, paraíso é a única palavra mesmo pra descrever Inhotim.

Eu fiquei 2 dias lá porque é muita coisa pra ver. São diversas galerias e obras espalhadas em 97 hectares. E gostaria de ter ficado mais um dia, pra ficar curtindo a natureza. Mas dá pra ver tudo tranquilamente nesse 2 dias… e ainda comer nos 2 restaurantes incríveis, o Oiticica e o Tamboril.

É difícil dizer o que eu mais gostei porque tudo é lindo. Porém, o Sonic Pavillion do artista Doug Aitken e a galeria Adriana Varejão foram os espaços que mais me tocaram. Arte e Arquitetura em perfeita harmonia.

Não consegui comprar lá a revista Monolito sobre Inhotim porque tinha esgotado, então, comprei pela internet mesmo. Para os estudantes de arquitetura que visitaram o local, vale muito a pena adquirir a revista. Tem as plantas baixas, cortes, fachadas de todas as galerias existentes e das que estão por vir. Além da pousada Inhotim, de Freusa Zechmeister, que está em construção. A revista custa R$ 79,00 e pode ser comprada aqui:  http://www.editoramonolito.com.br/edicoes/04/

Abaixo, algumas fotos pra convencer vocês a irem pra lá agora mesmo!


Galeria Adriana Varejão. Todas as obras conversam perfeitamente com a arquitetura interior. Tanto que fica aquela questão: onde termina a arte e começa a arquitetura? E vice-versa… O projeto é de Rodrigo Cerviño.


Hélio Oiticica, Invenção da cor, Penetrável Magic Square # 5, De Luxe, 1977. Foi aos pés dessa obra que eu tirei o cochilo mais luxuoso da minha vida!


Galeria True Rouge com obra de mesmo nome do artista Tunga.


Sonic Pavillion de Doug Aitken. Não sei como é feito isso, mas quando a pessoa está no centro do cilindro, o vidro é bem translúcido. Mas quando se chega perto do vidro, ele fica opaco. Sensacional! Sem contar o fato de que lá dentro, se ouve o som da terra pois foram instalados microfones geológicos a 200 metros de profundidade. Só estando lá dentro pra entender o que é.


Domos geodésicos para abrigar a obra De Lama Lâmina, de Matthew Barney.


Isso é uma das coisas mais bacanas de Inhotim. No meio da natureza, tem uma obra de arte totalmente integrada a ela. Na foto, Bisected Triangle de Dan Graham.


Inmensa de Cildo Meireles. Brincando com as escalas.


Essa é a cobertura do teatro. No espelho d’água, ficam esferas de aço inoxidável da artista Yayoi Kusama.


Aí está uma das obras mais populares de Inhotim. Os fuscas de Jarbas Lopes.


O nome da galeria já é bem sugestivo: Cosmococa. A galera vai a loucura lá dentro. São 5 cosmococas de Helio Oiticica e Neville d’Almeida. Uma com redes, outra com colchonetes, balões e até piscina que dá pra entrar! Na próxima vez que eu for, irei preparada😉 Projeto do escritório Arquitetos Associados.


A Grande Galeria será formada por 3 blocos semienterrados que acompanharão a curva natural do terreno. Serão mais de 5 mil metros quadrados de área construída e também é um projeto do escritório Arquitetos Associados.


Omeleteria que fica embaixo da Galeria Miguel Rio Branco (mais uma galeria dos Arquitetos Associados).


O restaurante Tamboril está cercado de verde e fica na área onde era a casa antiga de Bernardo Paz, o criador de Inhotim.


E não é que eu esqueci de tirar foto do restaurante Oiticica? Essa aí em cima eu tirei do site de Inhotim. O projeto do escritório Rizoma foi o vencedor na categoria Restaurantes do prêmio “O Melhor da Arquitetura”, iniciativa da revista Arquitetura & Construção, da Editora Abril.


À esquerda, é a galpão Cardiff & Miller. No deck ficam as mesas da pizzaria que aparece na foto lá no fundo.


Essa lanchonete, que vende basicamente coco e picolé de coco, tem um projeto que conversa com a obra de Rirkrit Tiravanija.


Adorei essas cubas.


Inhotim tem 5 lagos. Ao fundo, a recepção que será toda reformulada pelo escritório Rizoma.


Mais um dos lagos.


E sempre tem um banco incrível pra descansar entre uma obra e outra…


É ou não é uma bela vista pra relaxar o olhar?


Sim, minha gente, até cisnes existem em Inhotim! É uma obra de arte também!


Duas panorâmicas que fiz do ponto mais alto de Inhotim. Ambas com obras de Chris Burden.

Vou esperar um tempo pra voltar porque quero muito conhecer a futura Galeria Lygia Pape. No site do escritório Rizoma, dá pra ver mais imagens.

E então, consegui convencer vocês?

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s